quarta-feira, 23 de março de 2011

A Europa NÃO é o meu país!!!

Aqui há tempos, andava eu a arrumar umas caixas antigas, quando encontrei a colecção de autocolantes que comecei na preparatória. Dentre muitos e variados houve um que sobressaiu, especialmente tendo em consideração todo o imbróglio que afecta o país neste momento: um azul com as 12 estrelas da então CEE a dizer "A Europa é o meu país".

Ora ouvir hoje um deputado do PS sentir-se insultado por os partidos da oposição estarem neste momento a pensar em Portugal e não na Europa, a isolar-nos/destacar-nos/ pôr-nos à parte da Europa e a não considerar a opinião dos senhores que já disseram à boca cheia que "Portugal está bem, independentemente da crise económica e social, porque o sector bancário está bem", veio-me à lembrança o bendito do autocolante.

Eu era uma miúda quando Portugal deu o tiro no pé de se juntar aos grandes que querem ser maiores, género States, mas mantendo a supremacia...
Eu estava na faculdade quando, na cadeira de Economia, estivemos a estudar o PAC (Plano Agrícola Comum) e deu para compreender a magnitude da gangrena no dito pé...
Eu entrei no mercado de trabalho (mais ou menos na mesma altura em que o Euro entrou em cena e nos despedimos dos Escudos) e descobri como a infecção se havia espalhado por todo o lado, com pessoal a usar os Sacos Azuis (julgados sem fundo...) para abrir clínicas, comprar Mercedes (a Aemanha de certeza que não se importava com essa!) e casas em tudo quanto é lado, a pedir subsídios para um campo enquanto deixavam meia dúzia de monte e afins...
Sou agora mãe e pergunto-me se não foi aí, nos oitentas, que nos perdemos como povo trabalhador e passámos a ser uma cambada de chupistas que não dá valor ao dinheiro porque não se esfalfa para o ganhar, e que lixámos (espero que não definitivamente!!!) o futuro dos nossos filhos!

Eu sou portuguesa e, apesar de não ser nacionalista, dou valor ao que é nosso (daí a necessidade de fazer a campanha - tenho mesmo que dinamizar! A altura é crucial!!!), ao espírito que o hino transmite e ao quanto a nossa bandeira simboliza o sangue da luta, mas também a esperança de um futuro melhor.
A minha bandeira não é azul, como as gravatas dos artistas quando nos tentam impingir as suas ideias (os assessores percebem de cromoterapia!!!), nem tem uma dúzia de estrelas porque eu não ando para aí com a cabeça no ar!
A Europa NÃO é o meu país!!!

VIVA PORTUGAL!!!

6 comentários:

  1. O momento é gravíssimo, pelo menos é o que sinto. Também penso que, no momento da assinatura da então CEE, nos venderam gato por lebre. Comemos o gato e agora temos de pagar lebre ao preço de caviar. Pelos vistos poucos se aperceberam...
    Abraço, princesa.

    ResponderEliminar
  2. Luís, temos ambos a mesma percepção. Vamos lá a ver como é que isto corre...
    É por estas e por outras que cada vez mais gostava de ser vegetariana!!!
    A ver se mais gente acorda!
    Beijinhos Luís, e que ainda haja Portugal para os nossos mais novos!

    ResponderEliminar
  3. Não vou dizer nada, o que vai dentro de mim já é demasiado penoso.
    O tempo vai-nos dando um certo amadurecimento e, por vezes. passamos ao lado.
    Não é uma solução mas é um caminho.
    Adorei e subscrevo tudo o que acabou de nos deixar.

    ResponderEliminar
  4. Manuel, para quem não ía dizer nada, já disse o suficiente!
    Obrigada! É pena é isto não serem desvarios duma mulher doida... :-(

    ResponderEliminar
  5. Acho que , apesar de alguns desvios da própria fundação da CEE, a entrada na União Europeia modificou o país para melhor. Não tenho dúvidas.

    ResponderEliminar
  6. Dylan, ainda bem que não tens dúvidas, porque eu tenho IMENSAS!!!
    Gostava de pensar que o nosso futuro será mais risonho por tudo o que vivemos fruto da nossa adesão à UE, mas não consigo.
    Não sou pessoa de ligar a imagem, de ostentar riqueza, de dar valor a futilidades nem de valorizar o que é estrangeiro acima do que é nosso, por isso confesso que me custa pensar que não podermos produzir porque senão somos multados, não podermos negar que pesquem nas nossas águas senão somos ostracizados e afins são coisas que levarão a algo bom...
    Ao contrário do outro, eu tenho mesmo MUITAS dúvidas e gostava de estar enganada!

    ResponderEliminar

Diga lá o que pensa...