quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Grávida... mas só de ideias!!! :P

Sinto-me como se estivesse no último trimestre de gravidez outra vez, só que não à espera de um bebé, mas sim de conseguir deitar as minhas ideias cá para fora sem escrever 5 ou 6 mensagens seguidas ou uma que pareça um testamento!!!

Como o L tem os pré-molares a despontar, anda chatinho q.b., pelo que as noites andam a ser no máximo de 3-4 horas seguidas de sono. Não seria nada de mais (lá se vai a altura em que a gaja precisava de dormir, no mínimo, 8 horas seguidas p'ra funcionar; a minha mãe bem dizia que isso ía mudar quando tivesse filhos - sábia mulher!!!), não fosse o facto de a minha cabeça andar a 1000 e, como "quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga", eu fico mais de 1 hora acordada a remoer ideias na cabeça, projectos a preparar, entradas no blog e newsletters a escrever, mails a enviar... uma miríade de coisas que não me deizam relaxar e adormecer e, quando finalmente o faço, ou um dos miúdos acorda ou os sonhos são tão intensos [e não no bom sentido!!! ;)] que acordo bué de cansada!!!

Por isso agora desforro-me a escrever um pouco, a aliviar a minha barriga mental, na esperança de que o que sair não seja... porcaria!!!

As farripas de neve no Domingo de manhã ajudaram-me a animar! Foi a 2ª vez na vida que vi nevar (é o que dá ser nascida e criada à beira-mar e, quando finalmente me mudo para o interior, estar numa cidade que, apesar de mais fria, não tem neve!!!) e adorei!!! Basicamente só se viam "mini-floquinhos" [redundância propositada] a esvoaçar e, uma vez por outra, lá ficavam 2 ou 3 no capô do carro preto do vizinho tempo suficiente para mostrar ao P a "neve" (o entusiasmo dele era só derivado do da mãe, porque quem já viu neve aos 2 anos de idade, andou a brincar nela e afins, acha esquisito uma "pessoa grande" vibrar tanto com uma miséria destas, mas como ele já sabe que "não se deve contarriar os maluquinhos", alinhou!!!).

Depois disso, só mesmo uma tarde de compras sem putos nem marido (OH-OH) para ficar com o ânimo em alta!!!
Ainda me lembro de, quando ouvi pela 1ª vez uma mulher a dizer que adorava ir às compras, era terapia anti-stress e a relaxava montes, eu ter pensado "é tolinha!!!". Não chego ao cúmulo da minha professora de Reiki que dizia que não podia entrar num hipermercado porque se sentia assolada pela energia negativa das pessoas, a pressa, o stress (eu até curto ir ao hipermercado, especialmente aos Continentes originais - não Carrefours convertidos -, porque desde que abriu o 1º que a gente lá vai às compras e a estrutura é tão familiar que o uso como padrão para todos os outros!), mas sempre odiei ver montras, comprar roupa (sempre foi frustrante, porque isto de ser "roliça" - understatement do ano, mas enfim... - e de ombros largos tem que se lhe diga!!!) e afins, que não conseguia ver o prazer nisso. Mas nunca se deve dizer "desta água não beberei"!!! Agora compreendo que as idas às compras funcionavam como terapia, como uma forma de sair da rotina do dia-a-dia, da casa e da vizinhança e, acima de tudo, lidar com adultos fora do nosso círculo habitual (apesar de que as pessoas estão cada vez menos habituadas a falar umas com as outras frente-a-frente, agora é mais chats e redes sociais e, quando alguém estranho os interpela, até se assustam!!! Devem pensar que eu sou maluca, mas como eu não me importo, 'tejam à vontade!!! Os "toinos"* são vocês!!!)...

* - sem ofensa para os Antónios (o meu pai também o é)!!! Não tem nada a haver com o nome, é só uma daquelas expressões que, apesar de provavelmente ter uma origem abusiva, esse sentido original se dissipou e ficou apenas parte do significado, ao ser banalizado o seu uso!!!

Além de que já deu para comprar algumas prendas de Natal nos saldos (sim, sim, com 11 meses de antecedência, mas assim dou coisas melhores a preços mais baixos e, apesar de não dar para trocar, sei que estarão bem o suficiente para serem usadas ou "passadas a alguém"!!!) e algumas coisas para adiantar os meus projectos!!!

Bem, numa tentativa de evitar o testamento (nunca soube ser sucinta, acho sempre que tudo deve ser bem explicado e todos os pormenores são importantes) e a trovoada que se aproxima (a luz tremeluziu), vou terminar, mais uma vez agradecendo à Isabel o facto de me dar o luxo de andar a ler (e a comentar de modo elequente - mesmo que só com uma mão, pois isso significa que a Cecília também o anda a ler e isso é muito importante para mim!!! A sério!!!) TODOS os meus pensamentos e andar a espalhar a consciência e a compreensão do autismo por esse mundo fora (é desancar neles!!! Pessoas que não sabem o poder que as palavras têm, não deviam escrever!!! Nem falar/conversar, mas é como eu digo, cada vez se faz menos disso...)!

VIVAM AS MÃES DO MUNDO!!! VIVA A MINHA MÃE!!! (que me criou de uma forma tão boa que eu apenas tento dar aos meus pequenotes um pouco do quanto ela me deu a mim - e não é graxa, já sabes que eu não sou disso!!! :) Claro que, para leres isto, tens que te tornar ainda mais net-competente, mas tu chegas lá... cá... aí... whatever!!!)
É como diz a Oprah: não há trabalho mais difícil que o de uma mãe que educa os seus filhos com valores como a generosidade, respeito, compreensão e tolerância!!!

E, já agora (e como é importante ter a auto-estima em alta para consegurimos estimar melhor os outros - "Se eu gostar de mim, quem não gostará?!?", como dizem os outros e eu acrecento "Se eu gostar de mim (com falhas e tudo), de quem não gostarei?!?"): VIVA EU!!!!! ;D

Sem comentários:

Enviar um comentário

Diga lá o que pensa...